Apoio da Fundação Eliseu Alves vai agilizar liberação de produtos veterinários pelo Mapa

Os processos de registro e liberação de novos produtos para saúde animal, que normalmente demandam prazos alongados, deverão ser otimizados, a partir de 2019, com maior celeridade na decisão dos processos já protocolados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e redução do prazo de análise e decisão das novas petições da indústria de fármacos veterinários, permitindo que cheguem ao mercado brasileiro cerca de 5 mil novos produtos que ainda aguardam a liberação.
É o que esperam técnicos do MAPA e da indústria de fármacos veterinários, a partir do contrato de parceria firmado no dia 7 de dezembro pela Fundação Eliseu Alves(FEA) com o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (SINDAN) e a Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais (ALANAC), e do acordo de cooperação estabelecido entre a Fundação e o ministério, ambos com o propósito de atender à implementação do novo Plano de Defesa Agropecuária.
Um dos principais fatores de demora no processo de registro dos produtos é a fase burocrática de verificação não só da conformidade de toda a documentação que é requerida para o registro, sobretudo no que diz respeito aos testes laboratoriais obrigatórios em relação aos protocolos e métodos exigidos pelo MAPA para esses testes. 
Como regra, as indústrias têm que apresentar testes sobre a qualidade dos produtos, sua eficácia, estabilidade, segurança, efeitos residuais, toxicidade e efeitos colaterais. Conferir se os procedimentos e métodos preconizados pela legislação foram seguidos adequadamente requer, dos fiscais agropecuários, tempo que poderia ser dedicado a analise dos resultados desses testes e decisão quanto à propriedade ou não do registro.
Pelo contrato de parceria estabelecido com o SINDAN e a ALANAC, a Fundação, que é uma entidade autônoma do terceiro setor, credenciada pela Embrapa para suporte administrativo na execução de contratos de pesquisa científica e tecnológica, contratará especialistas, sem vínculos com as partes interessadas, em número suficiente para acelerar as tarefas burocráticas de verificação de conformidade dos processos e dos testes laboratoriais. O SINDAN e a ALANAC custearão as despesas dessa fase.
Pelo acordo de cooperação com o MAPA, a Fundação terá acesso à base de dados dos processos da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) para obter cópias dos processos a serem avaliados pelos especialistas. Todo esse procedimento será orientado e auditado pelos fiscais agropecuários federais, para garantir total observância da legislação e metodologia estabelecida pela SDA.
Com essa parceria público-privada, os fiscais agropecuários federais disporão de maior tempo para dedicar à análise dos resultados dos testes laboratoriais e decisão quanto ao deferimento ou indeferimento dos pedidos de registro. A expectativa geral é que, em 2 anos, a maior parte das pendências estejam decididas, liberando milhares de novos produtos para os produtores rurais. O contrato estabelece ainda rígida cláusula de sigilo, a ser observada por todas as instituições e profissionais envolvidos nas análises e verificações, mesmo após encerramento dessas atividades.



Em 11/07/2018 tomaram posse como Diretor Executivo e Diretor Administrativo da Fundação Eliseu Alves, respectivamente, Elísio Contini e Adélio Gonçalves Martins, que terão uma grande missão para os próximos 02 (dois) anos, aprimorar cada vez mais o apoio à Embrapa. E a nova Diretoria iniciou o mandato assinando seis convênios de cooperação técnica e financeira junto ao SEBRAE e terá a Embrapa como executora técnica, que tem como objeto: “Inteligência Estratégica para Pequenos Negócios Rurais: Agregação de Valor e Tecnologia”; “Aquicultura com Tecnologia e Sustentabilidade – Aquitech”; “Mapa de Oportunidades de Apoio à Valorização de Produtos Agroalimentares”; e “Agroecologia e Produção Orgânica - Conhecimentos e Tecnologias para Sistemas Produtivos mais Sustentáveis”. Na cerimônia de assinatura dos convênios, o novo Diretor Presidente da Fundação Eliseu Alves – FEA, Elísio Contini,  relembrou que acompanha o setor de agronegócio há 40 anos e observa o quanto o segmento avançou. “Este ano, devemos fechar próximos a U$$ 100 bilhões em exportações. Cinco vezes mais que no ano 2000. Isso se deve aos investimentos no setor, que tornaram fundamental o progresso que alcançamos”.







 

  • A Fundação Eliseu Alves – FEA parabeniza a iniciativa da  Embrapa, que através do seu Departamento de Gestão de Pessoas – DGP, promoveu o encontro de integração para seus novos empregados, contratados a partir de 2014.

    O evento teve como público alvo os pesquisadores, analistas, técnicos e assistentes, que puderam conhecer a estrutura e o funcionamento da Embrapa, seus valores, politicas, objetivos, principais sistemas e processos de trabalho. 

     

     

    A Fundação Eliseu Alves, parceira no projeto de construção da maior torre de observação do mundo, vem agradecer a obstinação e dedicação das equipes técnicas envolvidas na construção da torre.
    Mesmo com todas as dificuldades de logística para desenvolvimento da construção do maior observatório vertical do mundo, no meio da floresta amazônica, a montagem da estrutura foi concluída com sucesso, totalizando incríveis 325 metros de altura.
    . Consideramos isso um grande feito, pois apesar das dificuldades encontradas nos primeiros meses de implantação da torre, a excelente equipe de engenheiros, técnicos e operários, responsáveis pela construção daquele observatório, conseguiram manter as metas estabelecidas pelo cronograma físico do projeto.
    Para os pesquisadores envolvidos neste grandioso empreendimento, informamos que a expectativa é de que até o final do mês de dezembro de 2014, a torre esteja totalmente instalada, para em seguida receber todos os equipamentos científicos de monitoramento que serão fixados na torre, que estão sendo adquirido pela Fundação Eliseu Alves, com os recursos repassados pela FINEP e Max Planck.

    Crédito Imagem:UOL

    Crédito Imagem: Globo.

    Uma torre de 325 metros de altura para pesquisas científicas está sendo instalada na Amazônia, ficará pronta até o final deste ano. O observatório amazônico será nominado de Torre Alta (ATTO, na sigla em inglês), o projeto é uma cooperação entre os governos do Brasil (Ministério da Ciência e Tecnologia através da FINEP) e da Alemanha.
    A Fundação Eliseu Alves tem orgulho de fazer parte desse grandioso projeto, contribuindo de forma efetiva na gestão administrativa e financeira.

    A estrutura será ligeiramente mais alta que a Torre Eiffel (aproximadamente 318 metros), terá como função estudar a composição química da atmosfera sobre a floresta, principalmente sobre os níveis de CO2, além de elementos como nitrogênio e fósforo.  Projeto similar a este, em tamanho, só há igual no pequeno povoado de Zonito, que fica na Sibéria e a cerca de  3 mil km da capital da Rússia, Moscou. Entretanto, conforme a opinião do pesquisador e coordenador geral do projeto Dr. Manzi, este será mais completo. Ele considera que o projeto ATTO será referência mundial em pesquisas sobre florestas tropicais, já que não há programa igual sendo executado neste tipo de ecossistema.

    Como parceira para execução do projeto ATTO, e por consequência, testemunha do envolvimento incondicional do pesquisador Dr. Manzi e demais colaboradores para a realização desse projeto, a Fundação Eliseu Alves parabeniza e ratifica sua participação nesse grandioso empreendimento científico e tecnológico, por considerá-lo importante para o Brasil e para mundo. 


Endereço Postal

SHCS CR Quadra 515, Asa Sul
Bloco B, nº 78, 1º andar
Brasília - DF
CEP: 70.381-520
Tel: 61 3448-2056

Parceiros

Mais

Editais Recentes

  • Parque Estação Biológica (PQEB)
    Av W3 Norte
    Brasília - DF
    CEP: 70770-901 
    Tel: 061-3448-2054